Na tarde de quinta-feira, 22 de março, a Defensora Pública aposentada, Ana Paes, representou a ADPERGS em uma vistoria junto aos presos que se encontram na triagem, alguns há mais de três meses, realizada na Cadeia Pública, antes intitulado Presídio Central. A iniciativa teve por base as várias denúncias, que inclusive já chegaram a OEA (Organização dos Estados Americanos), de abandono dessas pessoas, uma vez que aquele local seria somente um lugar de passagem.

A triagem fica nos fundos da cadeia, bem afastada do prédio principal, sendo que do lado de fora das celas o grupo se deparou com restos de comida e embalagens atiradas no chão. Perguntados sobre essa situação, os detentos responderam que a comida chegava estragada, e que essa era a única maneira de serem ouvidos. No dia anterior, tinham saído mais de 100 presos que lá se encontravam, por conta de uma ordem judicial.

O problema de os presos seguirem na triagem, é que ali é um lugar de passagem, com prazo máximo de 20 dias para ficarem no local. Além disso, devido ao afastamento do prédio principal, ficam isolados, sem visitas e sem assistência médica. Resulta daí que a permanência mais longa constitui-se num cumprimento antecipado de pena.

Os Defensores estiveram em todas as celas e conversaram com os detentos, todos com queixas do isolamento a que foram relegados, muitos doentes e sem qualquer assistência. Ainda foi verificado que o atual prédio da Cadeia Pública não é de boa qualidade e fica numa baixada, sem estaqueamento para levantar, deixando-a desnivelada, o que poderá causar inundações e até soterramento. No atendimento aos presos que relataram seus problemas, participaram do grupo os Defensores Públicos do RS Bernardo Carvalho Simões, Janaína Rodrigues Oliveira e Luciane Grezzana, além dos policiais militares.

26 de Março de 2018