Projeto iniciado em 2017, auxilia jovens no cumprimento de medida socioeducativa

A Defensora Pública, Deisi Sartori, passou por diversas comarcas da Defensoria Pública no Estado do Rio Grande do Sul. Atualmente na DPE de Novo Hamburgo, região metropolitana da capital, já foi classificada em Bagé, Santo Antônio da Patrulha e Portão, e acumulou a Defensoria do Partenon, em Porto Alegre. Trabalha de forma especializada com Infância e Juventude, mas já desempenhou atividades outras áreas de atuação, como a da Família.

 

A decisão pela profissão surgiu muito cedo e, hoje, acredita ter feito a escolha certa. Apesar dos percalços percorridos, considera muito gratificante. Como muitos, correu atrás do seu objetivo, “batalhei muito para conquistar esse lugar”, afirma com orgulho.

Além de uma trajetória de dedicação no atendimento e apoio à comunidade, Deisi foi além de suas obrigações como Defensora. Em outubro de 2017, idealizou, junto de profissionais da Fundação de Atendimento Socioeducativo do Estado (FASE), o Projeto Papo Reto, que realiza oficinas sobre responsabilização consciente e emancipatória para jovens internos do Centro de Atendimento Socioeducativo do Estado (Case), em Novo Hamburgo.

“O Projeto Papo Reto começou com a necessidade que percebemos, atuando nas medidas socioeducativas, de que o adolescente ou o jovem adulto em cumprimento de medida de se apropriar e entender o processo pelo qual passava, para que ele também fizesse parte, fosse ativo”, argumenta.

Uma das justificativas para implementação do Projeto foi o fato de que o Juizado Regional de Novo Hamburgo ter como padrão o cumprimento de medidas de internação muito longas, o que gerava ansiedade e dificuldade dos jovens em entenderem o que estava acontecendo. Pensando nesse eixo de educação em direitos, perceberam a importância de ter uma conversa mais direta e direcionada para sua linguagem, que abordasse temas como: “quem são os atores do Sistema de Justiça, qual o papel da Defensoria Pública, do Ministério Público, do Judiciário e principalmente qual é o papel deles próprios no cumprimento da sua medida”, afirma Sartori.

O Projeto já atendeu 160 jovens internos e as oficinas costumam acontecer às sextas-feiras no auditório do Case. A próxima etapa é estender o atendimento às famílias dos internos. “Nossa percepção é de que a família faz toda a diferença na vida do jovem e tem o poder de influência sobre ele muito grande”, afirma.

A reinserção social de adolescentes em cumprimento de medida pelo viés da educação em direitos e do acesso à informação, evita a discriminação dos jovens internos e estimula a convivência familiar. Este é o objetivo do Projeto Papo Reto realizado pela Defensoria Pública e pela Fase.